filosofia de trabalho

“É preciso saber o tamanho exato de suas ideias. Muita gente faz filmes que, mesmo com dois minutos, são muito longos, duram mais do que a ideia”

Adam Pesapane (PES), em entrevista à Folha. O animador participa da 20ª edição do Anima Mundi.

Quando criou sua primeira animação stop motion em 2002, Roof Sex (abaixo), o artista não possuía experência na área: PES é formado em literatura. Outros curtas dele você encontra aqui.

ativismo digital, como fazer

O blog Babbage, da Economist, publicou um vídeo sobre o futuro de protesto audiovisual. O material relata a experiência de duas organizações (Witness e The Guardian Project) que ensinam aos manifestantes técnicas de filmagem e desenvolvem aplicativos móveis para facilitar o trabalho dos ativistas. Não dá para embarcar o vídeo, então passa lá.

Audiovisual: novas formas de financiamento, produção e distribuição

Acima, um guia de crowdfunding para financiamento de filmes.

Essa é apenas uma das abordagens plurais que podem ajudar o processo criativo. Cada vez mais, cineastas iniciantes ou independentes formam coletivos (infográfico no final do post). Há rodízio criativo na equipe. Num momento, um técnico atua como diretor de fotografia. Noutro filme, assume a direção.

A  distribuição, outro gargalo do cinema nacional, também busca novos rumos. O Circuito Fora do Eixo, que reúne 70 coletivos espalhados pelo Brasil, tem como meta fazer a nova produção circular.

O curta-metragem pernambucano Do Morro?, de Mykaela Plotkin e Rafael Montenegro, é um exemplo de filme que busca alternativas para chegar ao público. A obra investiga a ascensão do cantor popular João do Morro.

Veja também
Crowdsourcing pode mudar forma de consumo, produção…
Livros gratuitos: parece fácil distribuí-los, mas não é
YouTube, uma alternativa para artistas independentes e selos menores