50 aplicativos para freelancers

Cada vez mais surgem boas opções de aplicativos on-line para as mais diversas funções. Já criei, inclusive, uma lista sobre o assunto.

Há também muitas opções específicas. O site WebAppStorm, por exemplo, fez uma seleção das melhores ferramentas na web para quem trabalha de forma autônoma.

Há aplicativos para finanças, gerenciamento de projetos, becape virtual, suíte de aplicativos on-line (como o Google Docs), divulgação de portfólio etc. Vale a visita.

Você sente que o celular é uma parte do seu corpo?

Muitos se sentem assim. Segundo pesquisa, esse “controle remoto da vida” virou item básico. Muitas pessoas nunca saem de casa sem ele, já que se trata de um aparelho essencial para suas vidas.
Apesar disso, 37% dos entrevistados afirmaram não saber utilizar todos os recursos de seus telefones.A pesquisa foi feita no Canadá, Dinamarca, França, Malásia, Holanda, Filipinas, Rússia, Cingapura, Taiwan, Reino Unido e Estados Unidos.

Imagem via juliasegal

Nokia entra no segmento de netbooks com o Booklet 3G

A fabricante de celulares Nokia vai entrar no mercado de netbooks (laptops menores). O Booklet 3G terá conexão 3G, tela de 10,1, saída de vídeo de alta definição HDMI, webcam, Wi-Fi, Bluetooth, GPS, leitor de cartão SD e SIM card etc. Seu peso será pouco mais de 1kg e a espessura, 2cm.

A empresa promete que a bateria do aparelho aguenta 12h de uso seguido, o calcanhar de aquiles de muitos netbooks.

Há dois anos, as empresas de tecnologia tem cada vez mais investido em mininotes e celulares. Muitas delas pela primeira vez. A Apple lançou o iPhone. A Acer, vários modelos de celular. E agora a Nokia entra no segmento de netbooks.

Smartphone e/ou netbook?

“Existe lugar para vários tipos de aparelhos móveis. Netbooks são ótimos para ler e-mails e surfar na web. Smartphones são fantásticos para quem quer se manter conectado. Já eu continuo fã de um laptop equipado. Uso um Macbook, que não considero grande demais para carregar por aí e seus recursos ainda são essencias para mim”.

O norte-americano Corbett Barr, do blog FreePursuits, comenta sobre o melhor equipamento para o nômade digital. Ainda na dúvida? O Link dessa semana lhe ajuda a escolher o melhor aparelho, de acordo com suas necessidades.

Um bom complemento é a Folha Informática dessa semana, que recomenda regras básicas para usar telefones inteligentes (acesso exclusivo assinantes UOL/Folha de São Paulo).

Como será a internet daqui a cinco anos?

“Ela provavelmente vai atingir 50% a 70% do planeta. Muitos dos internautas terão acesso a ela por meio de dispositivos móveis. Além disso, ainda veremos, conectados à internet, redes de sensores e uma variedade de aparelhos em casa, no escritório e nos veículos. A internet será parte da evolução de uma rede elétrica inteligente. Vai conduzir o fluxo de informações necessário para tornar mais eficiente o uso da energia. E estou certo de que vai haver aplicações que vão surpreender. Haverá, por exemplo, maneiras muito inovadoras de lidar com vídeo em ambientes de comunicação rápida de pacotes. Espero, ainda, que tenhamos muitas aplicações baseadas em reconhecimento de voz, incluindo tradução automática e simultânea, tanto de texto quanto de fala”

Vinton Cerf, que conduziu, nos anos 1970, pesquisas que levaram à criação do protocolo IP,base de toda internet. Atualmente, trabalha no Google e na criação, juntamente com a Nasa, da rede de comunicação interplanetária.

Imagem via Flickr de kame_me

Os sites de notícias hiperlocais

A internet é o ambiente propício para criar novos caminhos para a informação. Nesse cenário, surgem os sites de notícias hiperlocais. EveryBlock (que tem uma parceria com o New York Times), Outside.in, Placeblogger e Patch são alguns exemplos. Funcionam como agregadores de conteúdo: informações publicadas em blogs locais e outras páginas de notícia são complementados com informações do governo, boletins criminais e conteúdo enviado pelo público.

Dessa forma, o leitor pode acompanhar as notícias mais relevantes para o seu bairro, seu quarteirão. Informações como lista de eventos, campanhas voluntárias, problemas no trânsito, oportunidades de emprego e negócios são publicadas levando-se em conta sua localização geográfica.

Muitas dessas iniciativas não produzem conteúdo original. Mas buscam criar produtos diferenciados. Como a Outside.in, que possui um aplicativo do iPhone que permite identificar informações num raio de 300 metros onde o leitor estiver.

Já o site Patch utiliza jornalistas profissionais. Munidos de notebooks com conexão à internet sem fio, esses repórteres coletam informações na comunidade. Participam, por exemplo, de reuniões em escolas.

Celular, um computador pessoal

“Se você agrega muitos dados pessoais e de localização, você pode fazer da internet algo individual. Estamos falando de 1 bilhão de internets em vez de uma só.”

Olli-Pekka Kallasvuo, CEO da Nokia, na revista Época Negócios de maio.

Os celulares vão se aproximando da ideia que temos de computadores pessoais. Aliás, um “PC” que sempre está conosco, com capacidade multimídia cada vez mais desenvolvida (levamos arquivos de música, registramos imagens -em vídeo ou fotografia- com qualidade elevada), com acesso rápido à internet, que possui os contatos das pessoas que conhecemos etc.

Em alguns mercados, surge como o dispositivo mais utilizado para acessar a internet.

Geoposicionamento, metadados, ampliação do número de usuários, maior utilização de recursos da grande rede, melhoria da qualidade de acesso… Apesar dos feitos atuais  da internet causarem alumbramento, ainda estamos na sua fase inicial. A grande rede se encaminha para ser realmente onipresente.

Textos relacionados
Geoposicionamento, o futuro das pesquisas
Acompanhe a localização dos seus contatos pelo Google Latitude
Podem os “smartphones” transformarem sociedades?

Imagem via Flickr de JonJon2k8

As novidades da Apple: novo sistema operacional MAC OS 10.6 (Snow Leopard); hardware novo (iPhone 3GS); preços reduzidos e um novo sistema operacional móvel (iPhone 3.0 OS)

A Apple revelou, nessa segunda, várias novidades, como o novo Macbook Pro e o sistema operacional MAC OS 10.6 (Snow Leopard). Entretanto, o alarde coube ao novo iPhone. Hardware novo, preços reduzidos e um novo sistema operacional (iPhone 3.0 OS) foram anunciados. Há boas novidades, como a prometida maior velocidade e o recurso que facilita identificar onde o aparelho está (Find My Phone).

De toda forma, algumas novidades deixaram a desejar. Até porque já eram comuns em outros aparelhos, como copiar/colar, possibilidade de filmar etc.

O iPhone é um dos melhores produtos quando se fala em usabilidade. Sua interface amigável fez com que o aparelho virasse o celular mais utilizado para acessar a internet. É um dos responsáveis pelo aumento de consumo de notícias em dispositivos móveis. Para muitos, trata-se de um minicomputador.

Todavia, o novo hardware não corrige uma lacuna importante do aparelho: a câmera. A resolução aumentou pouco, saindo de 2 MP para 3MP. Há aparelhos que já passaram dos 8MP.

Para mim, essa é uma das características mais importantes. Um smartphone potente permite que você registre momentos (via foto ou vídeo). É um pequeno estúdio multimídia que leva no bolso para gravar, com certa qualidade, o que achar relevante. Utilizando um equipamento que deixa a desejar nesse recurso, o registro é feito, mas de forma precária.

Textos recomendados
A morte dos celulares; longa vida aos smarthphones
Porque a Apple vence. Sempre