Para que serve o Twitter? [o fator popularidade]

“E para que serve, afinal, o Twitter? Continua sendo o mesmo fluxo de ideias, dicas de leituras, fragmentos de conversa – um mosaico digital continuado aproveitado por cada vez mais pessoas. Aparentemente, também é um concurso de popularidade que mexe com o coração de compatriotas dispostos a uma trapaçazinha para atrair mais gente.”

Pedro Doria, no texto O que fazer com 190 mil seguidores no Twitter?

Devido à busca incessante por popularidade que vem acometendo muitos cadastrados no Twitter, o serviço limitou o número de pessoas que uma conta pode seguir por dia (1000). Tal medida dificulta a utilização de spammers.

Na semana passada, depois de fazer campanha para ser o mais popular, Ashton Kutcher ultrapassou a CNN e superou marca de 1 milhão de seguidores no Twitter.

A utilização "útil" do Twitter

twitter

Interessante matéria do New York Times sobre diversas formas de utilização do Twitter. Enquanto algumas pessoas apenas citam passagens mundanas, destacando por vezes o seu cotidiano sem muita criatividade, outras investem na força do engajamento online.

Segundo o especialista em tendências Paul Saffo, o Twitter reverteu a noção de grupo. “Ao invés de criar o grupo que deseja, você envia mensagens e um grupo se forma”, explica.

A Amazon.com sentiu a força dessa que é a terceira maior rede social online (atrás apenas do Facebook e do MySpace, de acordo com a Compete, uma empresa especializada em dados sobre internet). Ao mudar sua política de divulgação de alguns títulos (reclassificou títulos homossexuais, os excluindo da busca principal  e da listagem dos mais vendidos), viu a atitude ser encarada como censura e, por isso, foi amplamente criticada. Resultado: teve de voltar atrás pouco tempo depois.

Foto via Flickr de Thomas Hawk

Twitter é destaque nas buscas dos brasileiros

O Twitter é o assunto do momento. De uns tempos para cá, foi descoberto pela mídia tradicional, que dedicou grande espaço à ferramenta de mensagens curtas. Essa avalanche de notícias locais deve ter influenciado a procura por informações sobre o assunto, visto que o Twitter ultrapassou o Facebook no Brasil.

Segundo o Google Trends, ferramenta usada para medir a incidência de palavras no maior site de buscas do mundo, o termo Twitter é, desde o dia 24 de março,  mais procurado que o Facebook na rede brasileira.

Gestão de comunidades

Jeffrey Kalmikoff fala sobre como sua empresa – a Threadless, que produz camisas – participa ativamente de sua comunidade de um milhão de integrantes. Em inglês.

Vídeo feito durante o South By Southwest (SXSW), evento que ocorreu em Austin, Texas. Na programação, novas mídias, música e filmes.

Cuidado com o que expõe na internet

Um dos conselhos de Scott McNulty (do blog The Unofficial Apple Weblog) citadas no livro Blogging Heroes, livro de Michael A. Banks que entrevista blogueiros norte-americanos conhecidos, é “não escrever nada num blog que você não diria frente a frente“.

Parece que mais pessoas precisam atentar para isso. O blog Tecneira cita dois casos de comentários feitos no Twitter que geraram problemas. No primeiro, um candidado critica uma vaga de emprego. Noutro, uma viagem a trabalho em que se fala mal da cidade visitada cria polêmica entre os funcionários de uma empresa ligada ao local. Antes, um jurado já havia feito comentários num tribunal, o que pode anular um julgamento de US$ 12,6 milhões.

E estamos falando apenas de casos recentes, ligados ao Twitter. Você pode não achar impróprio algum comentário. Fazer um gracejo que, tirado de contexto, fica descontextualizado. De toda forma, o Google nunca esquece.

Textos relacionados
Os perigos da mídia social
Por que utilizamos redes sociais?
Twitter na revista Época

Crowdsourcing e a prestação de contas on-line

O futuro da internet aponta para a transparência. É o que acredita Eric Schmidt, o presidente do Google. Informações importantes (como balanços financeiros de empresas e o trâmite de leis) devem ser cada vez mais comuns on-line.

Com o “Crowdsourcing” (terceirizar para as mutidões), passamos para outro nível. Com dados online, fica mais fácil o grande público acompanhar, analisar e investigar se o que está sendo divulgado é o correto.

Dessa “transparência forçada” surgiriam empresas e governos mais eficientes.

Jack Dorsey, o criador do Twitter

“Com um limite de tamanho, as pessoas são mais espontâneas e instantâneas. A ideia é minimizar os pensamentos.”

No caderno linkJack Dorsey fala sobre uma de suas criações, o Twitter, microblog que permite mensagens com até 140 caracteres.

Para ele, “O Twitter é mais uma rede de notícias, onde cada um atualiza em texto a sua vida. Quem quiser, segue. Não é preciso ser amigo. Uma pessoa pode te seguir e você pode não querer segui-la.”

Dorsey depois viria a criar o Square, dispositivo que transforma aparelhos móveis (iPhones, iPads e celulares Android) em plataformas de pagamento eletrônico (vídeo abaixo).

A popular ferramenta de mensagens curtas foi inventada por Dorsey. Mas ele não esteve só na empreitada: Biz Stone, que passou pelo Brasil em 2009, foi seu parceiro inicial. Em 2006, Evan Williams, o homem por trás do Blogger, se juntou a eles.

A Vanity Fair fez um belo perfil sobre esse badalado empreendedor do Vale do Silício. Curiosamente, a história de Dorsey se assemelha a de outro grande nome da tecnologia: Steve Jobs. Assim como o criador da Apple, Dorsey foi afastado da companhia que fundou. Voltaria ao Twitter em 2011, como chefe de desenvolvimento de produto.

Jack Dorsey: entrevista

Square: como funciona

Atualizado em 10 de abril de 2011. 

Facebook pergunta: O que está passando pela sua cabeça?

O Facebook estréia novos serviços nessa sexta-feira (acima, o novo desenho da página). Num recurso similar ao Twitter, trará um serviço chamado “O que está passando pela sua cabeça?”. Os usuários poderão preencher com comentários e links ou até mesmo fazer o upload de fotos e vídeos. No ano passado, o Facebook tentou comprar o Twitter.

Para o diretor de desenvolvimento de produtos, Chris Cox, a idéia é dar destaque ao fluxo de informações que estão acontecendo no momento.

Outra novidade é que o serviço trará mais possibilidades para que o usuário filtre o conteúdo que acha relevante: por grupo, amigos específicos, família e aplicativos. O que será bastante útil por causa da nova ferramenta citada acima, evitando a saturação por causa do excesso de informações desnecessárias.

Além disso, os perfis públicos não terão mais o limite de 5.000 contatos.

Imagem via

Textos relacionados
Facebook: mais de 40 milhões de novos cadastros em 90 dias
Facebook, a maior rede social on-line do mundo
Um mapa das redes sociais
Por que utilizamos redes sociais?

25 motivos porque eu odeio o Facebook

Não é tão divertido. Vale mais como “proposta educativa”. Na verdade, o problema não se restringe ao Facebook, apesar desse site se esforçar (leia, abaixo, sobre a reforma do serviço).

O excesso de contato é recorrente em várias redes sociais. Muitas pessoas acabam enviando mensagem sem critério, convidado para comunidades desinteressantes, divulgando eventos e aplicativos que muitas vezes só fazem sentido para ela, e não para quem recebe. Estaríamos virando spammers pessoais?

Ademais, há também exposição pública excessiva. Certa vez, Tutty Vasques escreveu que “há muita reclamação de invasão de privacidade, mas há muita evasão de privacidade.” Falava de celebridades, mas a frase se encaixa ao mundo virtual.

A coluna de segunda-feira do coletivo 02 neurônio brincou sobre o assunto. Trecho abaixo:

AS REUNIÕES de pauta são um dos momentos mais importantes do jornalismo. É quando editores e repórteres se juntam para decidir o que vai sair em um jornal, revista ou site. Nessa hora, repórteres aparecem com pautas que, muitas vezes, são gongadas pelos editores, de maneira nem sempre gentil. O repórter, no início, fica meio humilhado, mas aprende. Nem tudo interessa. E por que estamos falando tudo isso? Porque hoje existe um verdadeiro jornalismo de si mesmo. As pessoas (a gente, inclusive) escrevem no Facebook e no Twitter o que estão fazendo naquele exato momento e usam o MSN para propagar autonotícias. Meio maluco. O pior: as pessoas, definitivamente, não sabem o que é notícia!

Reforma
O Facebook estréia novos serviços no dia 13 desse mês. Num recurso similar ao Twitter, trará um serviço chamado “O que está passando pela sua cabeça?”. Os usuários poderão preencher com comentários e links ou até mesmo fazer o upload de fotos e vídeos.

Vídeo relacionado